BEDA

#27 Uma ou duas coisas que aprendi sobre relacionamento

15:29

Eu não sou uma pessoa muito experiente sobre a vida, o universo e tudo mais. Na verdade, fui uma adolescente bem arrogante e prepotente, achava que tinha razão sobre tudo e que era melhor que outras pessoas. No fundo, eu só não era eu mesma, mas isso é outra história.



Até alguns anos atrás eu achava que, quando estivesse em um relacionamento, deveria seguir regras. Que regras? Aquelas que todo mundo diziam. Não falar demais, não demonstrar demais, não passar tempo demais mas também não "deixar solto demais" etc. Isso sempre me deixou muito frágil e insegura, uma das razões pelas quais eu surtei e fiz terapia um tempo. Enfim né. A vida.

Depois de um tempo eu comecei a achar tudo isso uma grande bobagem e comecei a criar outras regras pra mim mesma. Tudo isso enquanto eu nem namorava, mas achava que precisava fazer tudo certo e que várias merdas que aconteceram e/ou pudessem acontecer, seriam culpa minha. Of course que não seriam, mas era assim que eu lidava comigo mesma.

Aí, vejam só. Um ano e meio de terapia depois, um impulso de viagem depois e um "não quero mais foda-se essa merda toda" depois, eu dei um grande passo em direção à minha liberdade emocional. Isso obviamente me fez enxergar a vida das pessoas com mais empatia e tento hoje não dar palpite no que não conheço, mas também me fez ter muito mais empatia por mim mesma.

Basicamente a única regra em que eu acredito é: sinta-se bem.

Quer estar 24/7 com x parceirx? Se te fizer bem, vá fundo. Não quer sair num fim de semana com as amigas porque planejou algo com elx? Se te fizer bem, ótimo. Não conversa todos os dias e se encontram pouco tempo durante a semana? Quer fazer 90% das suas coisas sem a outra pessoa ou quer fazer 100% das suas coisas com a outra pessoa? Ok. Se é de comum acordo, perfeito. Só entenda que por "te faz bem" eu quero dizer, literalmente e apenas "te faz bem". Suas sensações com você mesmo e não "eu fico feliz porque agrado a pessoa" ou algo do tipo. É de bom tom que te faça bem, que faça bem a ele e seja de comum acordo.

Eu acho que é um exercício de reflexão. O quanto a decisão foi sua? O quanto você se sente confortável com isso? O quanto vocês podem dialogar, negociar? O quanto qualquer decisão que seja foi conversada, não provocada/feita por chantagens? Quanto equilíbrio existe entre vocês?

Dá pra todo mundo ficar felizinho com decisões de comum acordo. Dá pra todo mundo ficar felizinho tendo a relação que mais lhe apetece. Dá pra todo mundo ficar felizinho quando a escolha é consciente, não fruto de algum nível de dependência.

1 comentários

  1. Que bom que tu tenha tido essa conversa franca contigo e mesma e mudado a forma como enxerga as coisas. Eu acho que tu tá mais que certa: se te faz bem, tudo bem. Claro que a gente não tá falando de bobagens que vão colocar 17 pessoas em perigo de vida, a gente tá falando de outra coisa, haha.

    Beijo!

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.