.BEDA

#22 Sobrevivendo no aeroporto

11:16

Título original: Guia de sobrevivência a uma madrugada sonolenta porém regada à cafeína no aeroporto.


Obs: este post deveria ter saído ontem, mas preferi não completar 36 horas sem dormir.

(daqui)
Eis que eu estou em Curitiba, visitando uma amiga.

Quando, há dois meses, comprei a passagem pra cá, num voo que saia SEIS E MEIA de uma manhã de sexta-feira, pensei que não podia ser tão difícil assim encarar uma madrugada dormindo no aeroporto. De lá pra cá, preferi não pensar nisso e nem no quanto eu sou uma pessoa sensível à falta de sono.

Confirmei, por exemplo, que quando fico com muito sono e não posso/consigo dormir, além de ficar com o psicológico de quem tomou umas doses, também fico muitíssimo irritada. De querer gritar com alguém. E descobri que muitíssimo me irrita quando recebo bom dia se eu ainda não dormi (he).

Avaliando todas essas condições. cheguei em Guarulhos na quinta-feira, 22h30 e fui fazer o que? Isso mesmo, procurar um lugar onde pudesse comer, sentar e carregar o celular. Starbucks, o escolhido foi você. Muito esperta e encarnando Lorelai Gilmore, pedi um copo de café. Não um copo qualquer. O maior que tinha. E um brownie de chocolate meio amargo.



E aí eu, desacostumada que só a se aventurar pela madrugada, fiquei extremamente hiperativa. Eu lia e tamborilava os dedos na mesa, eu dava algumas voltinhas porque não conseguia sossegar e sentava, ficava mexendo o pé o tempo todo.

E aí achei uma boa ideia registrar meu guia de sobrevivência ao episódio, uma vez que eu vivi tudo isso.



Dica 01: Conte com uma tomada

Todo entretenimento é importante. Eu passei praticamente toda madrugada com o celular na tomada conversando pelo whatsapp (até meus migos se renderem ao sono e me largarem) (dramas) (coisa que eu geralmente faço) e fuçando o instagram. Não podia me dar ao luxo de um celular sem bateria então lá ele ficou, carregadinho, até eu ter que dar mais de três passos pra longe da bancada.

Dica 02: Conte com um bom pacote de dados/internet

Aparentemente as internet free me odeiam, só isso explica eu nunca consegui usar o wi-fi da Passaro Marron por exemplo e nem a da Starbucks. Como só tava no whatsapp, meu 3g demorou um pouquinho pra ser cortado (daí deu meia noite e tudo estava bem outra vez).

Dica 03: Tenha papel e caneta.

Como vocês acham que esse post surgiu? Isso mesmo. Eu tava tão hiperativa que podia escrever um livro à mão.

Dica 04: Tenha um ou dois livros.

Peso desnecessário caso você não use e-reader? Pode ser. Mas vai ajudar a passar o tempo rapidinho! No meu caso, estava lendo Fangirl e Uma história meio que engraçada.

Dica 05: Puxe papo 

Aparentemente o mundo da madrugada em aeroportos é cheio de gente com um potencial interessante. Sorria pra alguém que parece legal e se for recíproco, puxe uma conversinha. Fiz isso oferecendo ajuda pra um cara da Guatemala que estava pedindo tanto café quanto eu e foi bem massa treinar meu espanhol embriagado ali #momentos

Dica 06: Observe

Se tudo parece chato, comece a observar as pessoas ao redor e imaginar (ou criar) histórias pra elas. Prática sempre interessante.

Dica 07: Fique próximo aos lugares com comida.

O sono vai dar fome, o tédio vai dar fome, a ansiedade vai dar fome, o cansaço vai dar fome e até a fome vai dar mais fome. O melhor dos casos é juntar os dois primeiros itens com esse.

Dica 08: Durma

Muito interessante a prática de observar as pessoas amarrando suas bagagens aos corpos, juntando cadeiras (ou ficando embaixo delas) e tirando uma soneca marota. Só não esqueça de colocar o celular para despertar.

Enfim, migos. Esse foi o começo de altas aventuras dessa que vos fala. Foi cansativo, foi intenso, foi curioso, foi mais um pouco cansativo, mas: sem arrependimentos até então.

3 comentários

  1. HAHAHAHAHA SIS VOCÊ É ÓTIMA! Quando pernoite no aeroporto também não consegui dormir, não por conta do café, mas por causa da ansiedade - afinal de contas eu estava indo para LONDRES! <3
    hahaha mas adorei seu guia e definitivamente usarei ele da próxima vez - e espero que seja logo!

    beijo! <3

    ResponderExcluir
  2. Putz, eu passei pela mesma coisa quando vim da Noruega HAHA Peguei o último trem até o aeroporto de Oslo e passei a noite inteira lá. A família inteira estava junta, então não foi tão ruim. Mas ainda foi uma experiência que eu não repetiria, ainda mais porque eu estava com uma baita dor no estômago e passei mal a noite inteira, hehe.

    Beijinhos. ;*

    ResponderExcluir
  3. HAHAHAHA meu único problema em ficar perto de lugares com comida é que eu vou querer comer o tempo todo e meio que não tenho tanto autocontrole quando o assunto é comida. Isso significaria falência antes mesmo da viagem começar =\

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.