1001 Mulheres

#01: Sobre chutar o balde

22:34

(daqui)

- Você acredita que eu vim até aqui pra não ter aula?

Eu acreditava.

Em um desses dias cansativos onde tudo que eu queria era voltar pra casa após o trabalho (em Mogi), uma menina puxou papo comigo na fila do ônibus. Ela havia saído de Jacareí pra Mogi das Cruzes para descobrir que não teria aula. Eu sinceramente sabia como ela estava se sentindo e começamos a conversar. 

Ela carregava um fichário todo decorado, rosa com adesivos e estava muito melhor arrumada que eu. Quando perguntei o que ela estudava, ela disse:

- Engenharia de produção. Difícil acreditar, né?

E riu. E eu também ri, porque eventualmente ainda me deixo cair em estereótipos.

Então ela (cujo nome eu não me lembro) começou a me contar sobre sua família e seus irmãos bem sucedidos. Contou que sempre quis fazer engenharia, mas o namorado não deixava porque "ia ter muito homem na sala" e que ela deveria fazer arquitetura com ele. Enquanto isso, o sonho do pai era que ela fosse comissária de bordo.

Ela chegou a concluir o curso e a passar na primeira etapa de um processo seletivo da Tam (ou da Gol, não lembro), mas na segunda fase simplesmente assumiu que não aguentaria seguir os padrões impostos e, acima de tudo, que não era aquilo que ela queria para a vida dela. No final de um ano de arquitetura, também decidiu assumir que não gostava daquilo. Ela queria engenharia.

- Chutei o balde. Tranquei o curso e terminei com ele. Eu queria engenharia e ele não ia mais mandar em mim. Depois, quando disse pro meu pai que não queria ser comissária, ele disse que ela só falar que não queria.

Eu nunca mais a vi, mas adorei que essa tenha sido uma das conversas que guardei na memória. Amém por termos escolhas.

Quem dera todxs nós pudéssemos ter escolhas.


Um belo dia estava pensando nas minhas referências feministas/femininas e vi que era difícil escolher algumas, já que há tantas histórias dignas de serem admiradas por aí. Essa é uma história verídica. Decidi registrar aqui (e/ou no Toda Maria) as mulheres que por ventura eu conhecer, meio que inspirado no projeto 1001 pessoas. Espero que gostem :)

5 comentários

  1. Sim, graças a Deus por termos escolha! Agora, não fazer por causa do namorado, não! Aff... namorado não decide a minha vida, mesmo! rs

    ResponderExcluir
  2. Sei que não é o foco do tópico. A personagem dessa história linda foi incrível chutando o balde. Mas sabe, a nossa geração valoriza super encontrar essa tal vocação, sabe? "Do What You Love". Eu sofri tanto quando passei por este momento de escolher o que faria no vestibular. Ainda sofro, na verdade. Muitos fatores estão na mesa: as expectativas, família, amizades, relações amorosas, princípios, sonhos...mas passei a sofrer menos quando me dei conta de que quero fazer muitas coisas na vida e está tudo bem com isto. Eu quero trabalhar para viver. Fazer viagens, costurar, desenhar, escrever...muitas coisas!

    ResponderExcluir
  3. Que história linda, Fran! Fico feliz por essa garota... E espero mais posts desta nova série.
    Beijo :*

    ResponderExcluir
  4. Fico feliz por ela, espero que essa garota tenha sucesso na vida. E seus posts são sempre inspiradores. <3

    ResponderExcluir
  5. Que delícia, adoro gente assim que se entrega sem medo do que os outros pensem, para fazer aquilo que realmente gosta! E que bom mesmo seria, se todas as pessoas pudessem fazer as suas próprias escolhas, vamos sonhar com esse mundo né!? ♥

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.