As Vantagens de Ser Invisível

pagando amor com redenção

11:39


"We accept the love we think we deserve". Quote de "As Vantagens de ser Invisível" (aceito o livro de presente, aceito convites para ver o filme) que tem se tornado famosa por aí porque se trata, veja bem, daquelas verdades da vida que muitas vezes nos recusamos a conhecer, entender ou absorver.

A gente aceita o amor que acha que merece.

Eu poderia constituir esse post só com essa quote, apenas dizendo que "a gente aceita o amor que acha que merece". Isso bastaria, eu tenho certeza que sim. Bastou pra mim.

Bastou pra me fazer pensar no que eu acho que mereço e no que tenho aceitado. No quanto eu acho que mereço e do mínimo que recebo. Bastou para me lembrar de quantas vezes eu disse "você merece algo melhor" e em quantas vezes já ouvi isso. Bastou para lembrar de todas as vezes que já deixei quem quer que fosse fazer com que eu me sentisse menos do que sou, de todas as vezes que deixei com que me fizessem esquecer meu valor.

A gente aceita o amor que acha que merece.

Fez com que eu repensasse em tudo que já me disseram e em cada pimenta que a terapeuta colocou nas questões que me faz, justamente para me cutucar. Em cada "relacionamento enrolado" que tive que nunca passou disso (e não passaria, e não passará). Em todas as vezes que desejei, lá no fundo, alguém que desafiasse meus medos e vergonhas, que encarasse minhas dúvidas absurdas com naturalidade, que me forçasse a ser uma pessoa melhor ou que, simplesmente, se mostrasse disposto a (preencha a lacuna). 

A gente aceita o amor que acha que merece, só que de vez em quando esquecemos o que é que achamos, a validade do que pensamos e das nossas visões sobre o mais importante: nós mesmos. A gente acha que o outro tem direito de fazer com que sintamos como se não merecêssemos amor algum. Que aquele nosso defeito, maximizado por outrem  vale o "por isso ninguém gosta de você", o "ninguém quer estar com alguém assim", ou, ainda, a esmola (o favor, as migalhas) do "eu podia estar em outro lugar e com outras pessoas" e do "nem gosto tanto assim".

A gente dói tanto tornando a grosseria do outro nossa verdade universal e buscando nossa punição, que nem percebemos que o que dói é ver alguém achando que tem direito de dizer o que somos e nos usar contra nós mesmos.

A gente precisa descobrir o papel que temos na vida de alguém, porque não vale a pena se for unilateral, se for menor que. A gente aceita o amor que acha que merece e, pelo amor de Deus, quando é que vamos aprender a não nos contentar com as migalhas supracitadas? Eu sei que mereço mais, você sabe que merece mais, nós sabemos que merecemos mais: todas aquelas histórias bonitas que nos comove por mais duros que queiramos aparentar. 

(daqui)
A gente aceita o amor que acha que merece. E merecemos. Afinal, já dizia a canção que "para nós, todo amor do mundo".

12 comentários

  1. Cara, sério, você é ídola!
    Se todas as mulheres lessem isso que acabou d eescrever, e se ela sse permitissem ser tocada spor essas palavras, talvez fossem mais seguras e logo, mais felizes.
    E num movimento d eretorno, que toda vez que você começar a pensar algum tipod e besteira sobre si memso e realção a algum rapazinho-meia-boca você releia isso, por que é de fato uma verdade, e ousraia dizer que libertadora, também!

    Flor, sabe o que pude perceber?Que você está mais madura, um pouco mais segura, tua escrita está mais.solta, sem medo e ao mesmo tempo forte e intensa...Talvez um pouco mais ousada e corajosa.Mas essas coisas quem pod eme dizer é você!

    Gostei mesmo amiga, gostei muuuuito mesmo. Juro que não esperava um post desse, muito menos com tamanha simplicidade e ao mesmo tempo intensidade.

    Te amo!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  2. E por um momento li "[...] se mostrasse disposto a (preencha a lacuna)" como "se mostrasse disposto a preencher a lacuna". E você exprimiu bem aquela frase - seja inteiro, o outro é complemento, ninguém "serve" pra te completar. Sei que é difícil chegarmos a esse tão almejado ponto. Mas um dia a gente alcança, vivendo nossos amores imperfeitos, principalmente, se o outro estiver disposto a nos ajudar e a fazer esse relacionamento o melhor (claro que com todos os poréns).

    ResponderExcluir
  3. Franzoca,
    essa é uma das minhas quotes preferidas de Perks. Só não é a preferida porque o livro consegue pegar todos os sentimentos do mundo e transformar em palavras, o que dificulta escolher uma só.
    Mas veja bem, ler que "We accept the love we deserve" dói. É uma porrada bem do meio da cara pra gente aprender a não aceitar qualquer migalha que coloquem na nossa frente só porque lá no fundo estão gritando um defeito nosso bem alto. Tá, temos defeitos. E daí? A pessoa do outro lado também tem e só Deus sabe o trabalho que isso dá. Mas quando você está disposta a (preencha a lacuna), o mínimo é que do outro lado também estejam. Se não, voltemos a procurar todo o amor do mundo.
    Orgulho fenomenal desse post. Mas assim, muito orgulho. Muito.
    Te amo <3
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Li num só folego.
    Lindo, lindo mesmo.
    Obrigada

    Margoh

    ResponderExcluir
  5. Cara, não sei se concordo com o seu post. Eu nunca passei pelo sentimento de ter alguém incompleto ou que me tratasse mal e eu sentisse que era isso que eu merecia. Já passei pelo caso de ser devidamente mal tratada, e saber que eu não merecia aquilo (tanto amizade quanto amor), e eu SABIA que eu NÃO MERECIA, e eu simplesmente largava e ia embora. Claro, que como vc sabe, eu sempre fui estranha HUAHUAHUA, mas eu acho que nesses casos o melhor a fazer é ficar sozinho/sozinha. É o que eu fazia/faria/faço. Eu dispenso o que eu sei que não é bom pra mim, e acho que todo mundo faria isso também, se não fosse o sentimento. A pessoa pode sim, te tratar como lixo, mas se vc gosta muito dela, você vai aceitar, mas pq vc gosta muito dela, não pq vc acha que merece.

    ResponderExcluir
  6. Blog lindo e escrita boa! Vim conhecer e gostei muito.

    Fiquei curiosa com o filme e ainda mais com o livro.
    Um abraço,
    Yohana Sanfer

    ResponderExcluir
  7. Olá querida.
    Chorando, sem querer, achei o seu site, bom, acho que nada na vida é por acaso.
    Você falou exatamente o que eu queria ouvir e precisava.
    Eu vivo assim, aceitando migalhas de todos os lados, mal tratos do marido diariamente, amizades que não merecem nada de minha parte, etc...., enfim, só de dores que vivo.
    é maravilhoso ver essa força em você!
    Tentei de diversas formas sair dessa minha situação, mas como tenho um filho, não consigo alguém pra ajudar com ele, por isso, tenho tido que aceitar essas dores.
    Da minha mãe que sempre me ofendeu muito, não a quero mais, e já faz alguns meses. Disse, chega!!!!!
    Queria também fazer esse chega com esse cara na minha vida.
    Suas palavras merecem aplausos!!!!
    Parabéns!!!
    Um grande abraço.
    Claudia Burin - Facebook.



    ResponderExcluir
  8. Achei lindo teu texto,bem profundo!
    To numa fase meio assim também sabe...
    To pensando em rever meus conceitos a respeito do amor e do que penso dele
    Ando pensando em como aceito certas atitudes sendo que doo mais que recebo!
    Beijos


    ♥ Curte Unicórnios?
    http://www.flightsanddreams.com/

    ResponderExcluir
  9. Adorei sua colocação!
    Tenho a mania de sempre me colocar para baixo e diminuir a importância do que sou ou faço. Várias vezes já me peguei pensando que não sou boa o suficiente. A questão é justamente essa, as pessoas tem o hábito muito grande de se inferiorizar e isso não ajuda nem um pouco na procura por um amor (independente de qual categoria ele seja), pois se desvalorizam e, consequentemente, o resultado é conseguir menos do que se tem capacidade.
    "We acept the love we deserve" é uma verdade que assusta e um dos tapas na cara que levei ao ler o livro e me fez gostar ainda mais dele.
    Parabéns pelo texto!
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  10. Seu texto me diz muito. E acho que não devemos nos contentar com migalhas. Eu não aceito qualquer coisa não, ainda que eu pague o preço das frustrações hahahaha

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.