.Resenha

aos que quiseram nunca mais se apaixonar

16:37

Eu confesso que desde quando soube do lançamento do livro (e faz tempo, hein) fiquei com vontade de ler. Não porque eu seja uma fã de Beatles, banda na qual o livro tem inspiração e base (até porque não sou, rs), mas pelo "ninguém precisa de um namorado para ser feliz". Eu sou dessas.

Lonely Hearts Club (Elizabeth Eulberg, editora Intrínseca) conta a história de Penny Lane, filha de um casal fanático por Beatles. Cansada de se decepcionar com romances, ela decide que nunca mais irá namorar e que todos os homens representam o inimigo, menos, John, Ringo, George e Paul, é claro. Inspirada em seus queridinhos, ela funda o Lonely Hearts Club. Um clube só seu. Um clube para pessoas cansadas de terem seus corações partidos.

Conforme Penny conta sobre sua(s) decepção(ões) amorosa(s) para as amigas, mais meninas se identificam e juntam ao clube. Afinal de contas, que menina (ou melhor, que pessoa) nunca se decepcionou? Logo, as regras do clube são claras: nos próximos dois anos de colégio, elas não podem namorar ninguém de lá. Porque, bem... Porque são garotos. E garotos são cruéis.

Por um bom tempo tudo isso funcionou muito bem: as meninas se reuniam aos sábados e o número de participantes cresceu tanto que elas já tinham que juntar mesas no almoço, no refeitório da escola, para que nenhuma ficasse de fora. É claro que com essa popularidade, há quem se aproxime para se aproveitar da situação.

Acontece que sem planejamento ou previsão nenhuma, as coisas começam a mudar. Penny começa a se sentir atraída por um amigo e, embora ela resista, ele também demonstra gostar dela. Além disso, ela acaba descobrindo que o cara pelo qual uma de suas amigas é apaixonada há anos corresponde esse sentimento. E não seria justo atrapalhar a chance de uma delas tentarem ser feliz. Inclusive da própria (e resistente até o fim) Penny Lane.


Num geral, Lonely Hearts Club é um livro querido. Ele fala sobre adolescentes, sim, assim como sobre todas as dúvidas, decepções e confusões que passamos quando gostamos de alguém. E mesmo que você tenha mais ou menos de 16 anos (idade das personagens) tem grandes chances de se identificar. Eu sou a primeira a confessar que já desejei milhões de vezes nunca mais gostar de alguém. Eu sou a primeira a confessar que nunca tive um relacionamento que fosse considerado com o mínimo de sucesso. 

E também sou a primeira a gritar que me identifiquei e quis muito ser Penny Lane na vida real. Identifiquei pelas confusões e mágoas que ela guarda. E quis ser como ela pelo simples fato de que ela é uma garota incrível. Seu clube, no final das contas, não se tratava só de não namorar garotos do colégio. Tratava de amizade, de ensinar suas amigas que não é bom ou saudável tornar um namorado o centro do seu universo, depender de um cara, se arrumar, se vestir ou agir de alguma forma por e para ele. Seu clube é sobre amizade. Sobre dar chance às pessoas, sobre dar conforto e apoio, como a menina que sofria um transtorno alimentar e conseguiu forças para procurar ajuda ou da líder de torcida que, ao terminar com o namorado, teve a coragem de assumir que nunca quis nada daquilo, e que queria era ser jogadora de basquete.

É um livro muito gostoso e fácil de ler (li numa tacada só: não levei mais que o domingo para lê-lo). É fofo, é saudável e apesar de ser "para adolescentes", traz lições bonitas, ensinando a superar as dores, a nos valorizarmos e, bem... a acreditar.

citações ♥

citações ♥
cada "parte" do livro tem como abertura o trecho de uma música dos Beatles ♥
(essas foram as que mais me identifiquei)

 PS: As fotos não estão grande coisa mas... eu que tirei! haha. E achei bonitinhas :)

17 comentários

  1. Ai que liiindo!! Me gusta! Não tinha ouvido falar desse livro, parece fabuloso! Morri de vontade de tê-lo, pra ontem! Ai que lindo! E é aquela velha história "por que algo que eu nunca tive me faz tanta falta?" não deveria e minha batalha diária é fazê-lo não ter falta.
    Abraços minha Franzi <3

    ResponderExcluir
  2. Oi, Fran!
    Primeiramente seu blog é uma graça!
    Acho que esse é um daqueles livros- clichês que no fim são sempre certos. Não importa se temos 20 ou 50 anos, algum dia já desejamos desistir de ter uma vida amorosa saudável. Me interessei muito pelo livro e assim que minha pilha gigante de leitura diminuir, lerei Lonely Hearts Club.
    Parabéns pelo blog, estou seguindo aqui :)
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. acho que nao é meu tipo de leitura favorita mas recomendarei a minha irmã

    ResponderExcluir
  4. Quero muito ler, inicialmente por causa dos Beatles, claro. Agora, depois da resenha, mais ainda!

    E Here Comes the Sun é tipo a música da minha vida. Amo muito! <3

    ResponderExcluir
  5. Fiquei ULTRA a fim de ler esse livro, primeiro porque cabe perfeitamente no estilo de livro que eu curto e segundo porque sou fã de The Beatles,já anotei na minha listinha e assim que eu passar em uma livraria o comprarei para devorá-lo o mais rápido possível.

    ResponderExcluir
  6. Fiquei com vontade de ler o livro. Vo correr pra livraria *-*
    Ps: adorei o título

    ResponderExcluir
  7. me deu mta vontade de ler o livro! valeu a dica!
    bjo

    opinandoemtudo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. que maximo! preciso desse livro. Será que tem problema eu já ter meus vinte aninhos?? ahaha

    beeijos

    ResponderExcluir
  9. Cara,fiquei com muita vontade de ler esse livro. Primeiro que eu também acho que a gente não precisa de homem para ser feliz. Tenho um pouco de dó daquelas pessoas que fazem da outra pessoa o centro do universo.

    ResponderExcluir
  10. Nossa! Fiquei com vontade de ler.. Tenho 16 anos e ontem mesmo pensei que eu não deveria me envolver com mais ninguém! hahaha Muita coincidencia! hahah


    Obrigada por visitar meu blog :)Volte sempre!

    Beijos,
    Thainá :)
    http://tubaiina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  11. Aw, fiquei com vontade de ler, Fran! Vou ver se baixo o e-book.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  12. Quero ler!!!! Já tinha ouvido falar dele, mas não sabia do que tratava! Acho que eu também me identificaria com a Penny Lane. E tem Beatles!!!

    ResponderExcluir
  13. Também não gosto muito dos Beatles, mas fiquei com vontadinha de ler. Vai me emprestar, né? HAHAHAHA

    Sua fotos ficaram ótimas, boba :*

    ResponderExcluir
  14. que fofo *-*
    eu já tinha ouvido falar desse livro e parece que é bem interessante.

    adorei a forma como escreveu, nossa, me deu vontade de ler e me dedicar um dia inteiro para esse livro *-*

    adorei as fotos!
    um beijo :*

    ResponderExcluir
  15. Sabe, contanto que seja bem escrito, livros de temática adolescente são muito atrativos aos meus olhos. Mesmo. Eu vendi muito esse livro lá na livraria e já tive interesse em lê-lo (mas devo ter esquecido). É a primeira vez, entretanto, que leio uma resenha dele. Beatles é uma inspiração maravilhosa. Sem contar que já quebrei a cara também - e inúmeras vezes - nesses amores de ensino médio.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Fran Lane, que tal? <3
    Já quero ler esse livro desde o lançamento, mas sempre fico adiando e colocando outra coisa na frente. Agora que vi seus motivos pra gostar, estou ainda mais ansiosa. Adoro YA, mas aqueles que têm alguma mensagem boa pra passar. Algum tipo de motor pra modificar a maneira errada que muitas adolescentes encaram a vida e os relacionamentos. Must read.
    Beijo <3

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.