.Resenha

Eu prometo ser a mais magra

13:52

daqui

Como disse, sábado estive na Bienal do Livro e depois de "A Culpa é das Estrelas", comprar "Garotas de Vidro" era necessidade. Comecei a ler na segunda a tarde e acabei hoje de manhã.

Garotas de Vidro foi escrito por Laurie Halse Anderson e lançado pela Novo Conceito esse ano. O livro conta a história de Lia e Cassie, duas melhores amigas que eram obcecadas com o corpo e faziam de tudo para serem as mais magras. E para alcançar o menos peso possível. Lia sofre com a anorexia e Cassie, bulimia.

Em uma noite, o corpo de Cassie foi encontrado, sozinho, no quarto de um motel. Naquela noite, Cassie havia ligado 33 vezes para Lia, que não a atendeu. A partir daí, ela tem que aprender a lidar com os próprios demônios e com a memória da amiga morta, que insiste em assombrá-la. E lembrá-la de que em breve elas estarão juntas de novo. Do mesmo lado.

A batalha de Lia para lidar com seu problema pode ser facilmente sentida por qualquer um que leia o livro. Suas perturbações, frustrações, punições, sua resistência para assumir que precisa de ajuda e depois, sua força para lutar contra a morte. É tudo muito claro, bem desenvolvido e descrito. Ela é uma personagem bem construída, como todos os outros, e tive vontade de estar com ela muitas vezes, de tentar analisar cada mínimo detalhe para entender o motivo de sua obsessão, quem é o culpado por esse problema... Ou melhor: se há culpado.

O livro mexeu comigo tanto quanto ACEDE. É o tipo de leitura que te joga verdades na cara, doa a quem doer. É o tipo de leitura que te faz abrir os olhos porque simplesmente há milhões de pessoas passando exatamente pela mesma situação que a Lia no mundo. Porque obviamente, no meio em que cada um de nós vivemos, há alguém que passa ou passou por isso. E é, ao menos pra mim, doloroso imaginar o mínimo de como essas pessoas se sentem.

É o tipo de situação que poderia ter acontecido comigo. E isso basta para me deixar chocada.

Eu não gosto de tratar o assunto "transtornos alimentares" como frescura de adolescente ou coisa assim, como se fosse algo que uma pessoa escolhe ter, como se fosse escolha simplesmente ficar doente (ou, no pior dos casos, morrer). O livro demonstra claramente que não é nada disso e nunca foi, e arriscaria a dizer que nos torna até mais sensíveis aos problemas que outras pessoas enfrentam.

Sou do tipo de pessoa que gostaria de saber a história de cada um que está lendo isso e já passou por essa situação, mas sinceramente, gostaria que todos vocês estejam/estivessem livres, seja da anorexia ou da bulimia. É por isso, provavelmente, que bato tanto na tecla de se aceitar (para convencê-los, para convencer a mim mesma...).

Eu recomendo o livro para qualquer um. Como alerta, como inspiração (né, vai saber), como um novo ponto de vista. Incluam em suas listas pessoais de "livros que devo ler na vida".


Book Trailer (mais informações aqui)

6 comentários

  1. A maior verdade é que não é algo opcional.. e são poucos os que entendem os distúrbios alimentares como uma doença e não como frescura. Adorei o comentário e a indicação do livro (;

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é maravilhoso, um dos meus favoritos, como eu te disse Fran. Por conhecer pessoas que passaram por essas situação, comecei a procurar sobre o assunto e foi quando encontrei o livro. O livro foi mais um dos meus motivadores há, quem sabe, um dia ajudar pessoas com esses problemas (Nicole, futura psiquiatra). O meu problema é que depois de ACEDE trabalhar com cancer também começou a ser uma opção, assim como cardiologia e neurocirurgia por simplesmente pesquisar sobre o assunto. Enfim, basta dizer que foram os distúrbios alimentares e a vontade de ajudar alguém que me colocaram no caminho para tentar uma faculdade de medicina :)

    ResponderExcluir
  3. Fiquei muito interessada assim que esse livro foi lançado, pois não é tão fácil encontrar livros que tratem desse tema, ainda mais com o alcance que esse livro está conseguindo. Chega de tabu. Chega de fingir que o problema não existe, ou que só acontece com estranhos, ou que é só uma frescura de adolescente. É preciso falar sobre o tema, discutir, escrever sobre ele, tentar entender o que se passa com quem sofre desses transtornos. Se o livro contribui com alguma coisa desse tipo, já está de bom tamanho. Mais do que a função de alerta ou de chocar, ele também serve para que a gente levante o assunto que vez o outro fica adormercido...

    ResponderExcluir
  4. Quando você comentou sobre ele no Twitter, torci para que você resolvesse fazer uma resenha... Só não esperava que fosse tão logo! haha
    Gostei, já adicionei na minha lista!
    ;)

    ResponderExcluir
  5. Já tinha lido a sinopse desse livro e não tinha ficado muito interessada, mas a sua resenha me convenceu e ele já foi parar na minha lista de desejados. Sei que vou demorar pra ler, mas quando isso acontecer, te digo o que achei.
    Beijo, Fran!

    PS: Você lê tão rápido que eu fico envergonhada com a minha lerdeza e enrolação. Quando crescer, quero ser que nem você.

    ResponderExcluir
  6. Eu vi alguém marcando no Skoob que queria ler Garotas de Vidro, achei o nome interessante, fui ler a sinopse pra ver sobre o que era e coloquei logo na minha lista. Lendo seu post fiquei com mais vontade ainda de ler, parece ser muito interessante, apesar de doloroso.
    Também quero MUITO ler A Culpa é das Estrelas.
    Beijo.

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.