cotidianices

carta sobre uma descoberta

16:52

Minha mãe conta que quando eu era "um bebê", era muito curiosa. Ela perguntava sobre um objeto ou desenho e eu ficava procurando até achar e poder apontá-lo. Eu acho engraçado. Meus olhos são grandes, então me imagino uma menina gorducha de olhos arregalados procurando o que quer que seja. E toda vez que eu me pergunto se a criança que fui teria orgulho da pessoa que sou hoje é essa imagem que tenho: uma pequena Franciellen de olho inquisidores olhando atentamente a nem tão grande Franciellen de hoje em dia.

Ontem uma amiga estava chateada com algumas coisas que (não) andam acontecendo com ela. Eu entendo, embora não com a mesma intensidade. Mas entendo o medo, a sensação de estar estagnada e de que isso nunca vai passar. Simplesmente porque já fui o tipo de pessoa que deixa a insegurança ser maior que todas as qualidades que eu tenho e duvidava totalmente de mim. Eu queria conseguir me enxergar como alguns amigos enxergam.

Sempre quis mudar, ser legal-inteligente-bem-humorada-divertida-bonita-esperta-e-criativa. Sempre quis agradar. E sempre pensava sobre isso sem sair do lugar, sobre o que fazer ou como fazer para me enxergar sem as amarras que eu mesma impunha. E eis que nos últimos dias alguma coisa aconteceu, alguma coisa que eu nem sei o que é. Apesar da autoestima altamente abalável, eu comecei a me sentir um pouquinho mais disposta. A querer colocar em prática as ideias que tenho. Comecei a me ver bonita (ou não tão monstruosa como eu achava), a lembrar de coisas que já disseram sobre mim e a acreditar no meu potencial porque de repente lá estava eu, sendo indicada para escrever uma matéria pra uma revista. Devia significar alguma coisa.



Tenho sentido uma ponta de orgulho de mim mesma que me faz sorrir e gostar de lembrar disso, apesar de aparentemente nada demais estar acontecendo. Estou esperançosa, vivendo com os mesmos olhos enormes e curiosos da criança que eu fui, caminhando para fazer com que, da mesma forma que a Fran-criança tem sim orgulho da Fran de hoje, essas duas Fran's tenham orgulho da Franciellen que espero ser no futuro.

Aí eu quis compartilhar um bocado dessa felicidade clandestina com vocês. Porque amanhã completo mais um ano de blog, ou seja, quatro anos só com esse endereço. E esse é meu presente a mim mesma.


Nada nos puede detener. 
Preparate, 
vamos a poner el mundo del revés. 

No nos van a decir 
como tenemos que vivir, 
decidí dar lo mejor de mi. 
No nos van a decir 
lo que tenemos que sentir, 
porque mi vida depende de mi. 
Depende de ti 

Si en la vida hoy se anda con rodeos, 
haz de tripas corazón, 
haz de cada historia una canción 
a rienda suelta a la ilusión. 
El Sueño de Morfeo)

5 comentários

  1. Que lindo, Fran! A melhor das descobertas. Parabéns pelo aniversário do blog e por ser quem é. Te admiro demais. Esse post é só mais um motivo.
    Ah, pensei em "Dating Rules from My Future Self", mas sem a parte do romance haha E nem preciso dizer o quanto gostei de ver a música do El Sueño de Morfeo aí, pois ela sempre me dá força quando ameaço fraquejar.

    ResponderExcluir
  2. É tão bom quando a gente tem um presente tão bom para nós mesmas!! Garanto que a Fran gorducha com olhão morreria de orgulho de você, impossível não morrer!
    <3

    ResponderExcluir
  3. É bom ter ver assim. Torço muito por você, fran!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, parabéns :)
    Eu lembro quando você conversava comigo e estava mesmo um pouco desanimada.Acho que é aquela coisa meio clichê de que as coisas acontecem no tempo certo,né?

    Torço muito por ti tbm *_*.Parabéns <3


    saudades :)

    ResponderExcluir
  5. Tudo bem que eu estou pelo menos um dia atrasada, mas precisava vir aqui dizer o quanto é bom finalmente ler coisas assim por aqui.
    Eu fico do lado de cá torcendo pra que você tenha toda a confiança que devia em si mesma. Porque você pode e deve ter.
    Não só a Fran pequena deve ter orgulho, a Fran de hoje também pode se dar ao luxo de parar e sorrir porque é ok ter orgulho de quem a gente se tornou. No presente, completamente no presente.
    Beijo! <3

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.