cotidianices

Eu, o Jornalismo e a Universidade - Nem tanto amor assim.

21:17

(daqui)

Comecei a estudar jornalismo ano passado. Eu sou bolsista. E eu me sentia extremamente idiota quando algo me decepcionava na faculdade. Desde a falta de trabalhos (oi, sou nerd, bjs) até as pessoas que não faziam nada nos poucos trabalhos (infelizmente, em grupo) que tínhamos.

E se digo que a ideia dos trabalhos em grupo era infeliz, não é pelo fato de eu ser egoísta, individualista e perfeccionista. É apenas pelo fato de que eu nunca consegui trabalhar com pessoas que não querem saber de trabalho. E quando decidi não carregar ninguém nas costas, fui acusada de perseguidora.

Se estivéssemos na Idade Média, quem sabe.

Bom. Não faço ideia de quantas vezes entrei em contato com outras Universidades pra perguntar sobre transferência de bolsa. Não faço ideia de quantas provas de transferência pra faculdades públicas eu procurei. De como eu queria ao menos ter tentado um vestibular numa pública. De quantas vezes fiquei trançando planos - que nunca saíram da minha mente - do que eu poderia fazer para me sustentar em outra cidade. E com todos esses pensamentos, não sei como não cheguei a uma solução.

Não é exatamente que eu ache todas as universidades particulares ruins. Nada disso. Mesmo porque, não estudo em todas elas. Mas quando converso com meus amigos que estão nas públicas, ainda que reclamem delas, sinto que eles têm tantas mais oportunidades que eu, onde estou. Sinto um misto de invejinha e decepção comigo mesma. Eu queria poder viver tudo isso. Das aulas aos manifestos.

"Se eu estivesse lá", fico pensando quietinha, "o projeto que quero desenvolver já estaria andando. Ninguém me enrolaria por querer ajudar a organizar a semana de comunicação do semestre". Ninguém me olharia com cara de "você é louca" ou de dó por eu me interessar. E provavelmente, eu não seria tão enrolada como sinto que sou.

Depois de um ano de crise existencial, eu posso dizer que sim, amo o jornalismo. Eu amo escrever, amo saber que posso ter mil oportunidades na área, que tem muita coisa dela que ainda não conheço mas gostarei de conhecer. Eu acho até que o jornalismo me escolheu. E talvez seja exatamente por isso que eu tenho tanto interesse, tanta curiosidade, tanta vontade de ajudar, de produzir. De fazer algo acontecer. Qualquer coisa.

O que acontece, porém, é que me sinto limitada. É como se, sei lá, fossem me comprimindo. E eu quero crescer. Quero alcançar o que puder alcançar, nem que pra isso eu precise ficar na ponta dos pés. E não acontece. Obviamente, nesse semestre, sinto-me um pouco mais contente com as matérias, já que são específicas do curso. Sei que determinados professores estão ali, prontos para me ajudarem no que estiver ao alcance deles. Mas são professores, não deuses. Não é tudo que eu posso pedir a eles.

Talvez tudo isso pareça vago, imaturo ou "aconteça" em qualquer lugar. Mas sinceramente, não vejo erro em quem quer extrair do seu curso o máximo que puder. Em quem quer crescer, aprender, descobrir. Em quem quer ajudar e se envolver. Eu tenho certeza, sem querer me "endeusar", que falta interesse por boa parte dos alunos, num geral. Que eu merecia, sei lá. Consideração. Pelo esforço. Por dar minha cara a tapa em coisas que eu nem precisava ter me envolvido. Que mereço respostas concretas quando precisar delas.

E que a Universidade tem o dever de investir em seus alunos o máximo que lhe for possível.

Enfim. Tudo isso para confessar que eu queria ter aproveitado melhor todo esse amor pelo jornalismo. Que queria ter tentado ou me esforçado um pouco mais. Que queria ter arriscado. Porque pra mim, de nada adianta ter uma bolsa e ser considerada inteligente e boa aluna, se a realidade é que não me deixam mostrar isso. Tudo isso pra confessar de uma vez o que tem me deixado "pra baixo" durante os últimos dias. O que tem me entristecido. O que tem me feito surtar e chegar em casa todas as noites reclamando ou chorando. O que me faz pensar duas, três ou dez vezes antes de sair de casa, enfrentar uma estrada horrível e chegar lá "para nada".

Tudo isso só para dizer que a pior coisa que eu poderia sentir no mundo é que sou limitada e que de nada serve minha vontade e minhas ideias.

Então, quando por ventura eu disser que não me sinto bem, por favor, tenham paciência comigo. Não fui programada para acreditar que não posso alcançar o que quero. Não dessa forma.

21 comentários

  1. Acho que tenho uma certa noção do que você sente, mas te peço - humildemente - que jamais desista. Te peço isso porque tenho certeza da sua capacidade de fazer a diferença numa área que tem sido tão desvalorizada ao longo dos anos. Força e fé. E também um tanto maior de amor pelo que você escolheu - ou foi escolhida -.

    ResponderExcluir
  2. Well.... é o que eu te falei... eu acho que todas as faculdades tem um lado bom e ruim, mas realmente me parece que você está tendo 'pobremas' na sua facul. Eles parecem bem 'ahn... fod.' Mas vai melhorar... vc tem todas aquelas possibilidades que te falei via msn. =)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Olha, Fran, é o seguinte.

    Começo meu comentário dizendo que entendo perfeitamente como você se sente. Só que ainda não faço faculdade. E a falta de valor está dentro da minha própria casa. Meus pais não me dão força para estudar e sim para trabalhar.

    Arranjar qualquer empreguinho e colocar comida dentro de casa. Também não me acho tão brilhante, mas sei do meu valor, sei que não sou burro.

    Sei bem por cima de como é sua situação para fazer a faculdade, mas te incentivo a não desistir.

    E sei também entender esse aspecto de comparar faculdades particulares e públicas. A maioria das particulares não são grande coisa mesmo. E as públicas/federias são bem difíceis de entrar.

    Estou fazendo cursinho e por enquanto tenho tempo pra estudar. Quero fazer medicina, na USP, Unicamp, Unesp ou Unifesp. As boazonas e públicas de São Paulo. É difícil, mas não vou desistir.

    Gostaria de poder te ajudar, tanto na sua atual situação ou se caso você quisesse trocar de faculdade. Mas só posso incentivar mesmo. Não desista, menina. Você prova que é esforçada e batalha, isso há de ser recompensado uma hora.

    Posso te dizer que aqui na capital não está tão complicado nas públicas. Tem auxílio passagem, tem as moradias das faculdades, e a faculdade apoia muito o aluno.

    Seja forte.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. A Universidade é limitada, você não é. Eis ai sua chance de crescer, não adianta pensar que poderia elaborar planos bons antes, pense que pode elaborar planos ótimos agora. Você só precisa parar de acreditar que seu crescimento está em outro lugar, pois ele está com você.

    "Os problemas nunca vão desaparecer, mesmo na mais bela existência. Problemas existem para serem resolvidos, e não para perturbar-nos." - Augusto Cury

    ResponderExcluir
  5. Poxa vida... nem sei o que dizer! Queria poder te ajudar, mas minha experiência universitária consta em apenas uma semana de estudo e toneladas de texto - algo para o qual eu nao estava preparada - acho ruim essa sua situação, mas vejo que você não deve se abalar com ela, não deve ficar falando as coisas no passado e muito menos parar de acreditar na sua capacidade. Vá brigando e lutando que quem sabe uma hora você consegue e ao mesmo tempo tente ver maneiras de melhorar sua situação, esforce-se. Torço para que não seja em vão. Torço por você, pelo seu futuro... Tudo há de dar certo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Menina, como me identifiquei com seu post! Estou no 2º semestre de Jornalismo numa faculdade particular também, mas ela não é dessas que já ganhou prêmios por ter melhores alunos ou professores, mas está crescendo. Porque, em algum lugar, disseram "quem faz da faculdade uma boa instituição é o aluno".

    Atualmente, vivo uma crise de "serei ou não uma boa profissional"? Esperava mais de certos professores e de suas matérias e também fico divagando sobre outras tantas universidades. "E se..." eu tivesse estudado um pouco mais e passado quando saí do ensino médio e todas essas lamentações.

    E maior parte da minha queixa é que gostaria tanto de atuar na área que já me é conhecida (web) e não surge uma boa oportunidade. Aliás, até surgiu uns meses atrás, mas me senti pressionada e despreparada e me imaginar não sendo nessa área até me amua. Sim, vou me dar a oportunidade de conhecer outras áreas, mas é bom ter certas metas pré-estabelecidas e vermos se chegaremos até lá.

    Acho que não é só eu que deseja que alguns seres desistam logo do curso, já que se apoiam nos outros quando é para executar os trabalhos. :x

    Beijo, Fran. Que o jornalismo nos releve suas boas surpresas! :)

    ResponderExcluir
  7. Sei que o que eu vou falar vai ser muito curto para tudo o que tu disse, mas não acredite, não escute, ignore quando te disserem que tu não consegue, quando te criticarem. Tu tem que acreditar em ti apesar de tudo e de todos. Tu é mais, tu pode.

    Beijo e boa sorte.

    ResponderExcluir
  8. Eu não faço facul. Mas, tenho muita vontade. Eu gostaria muito de ganhar uma bolsa para jornalismo. É o curso que quero pra mim, o que eu quero para minha vida.
    Já ganhei bolsas para outros cursos, mas não deram certo. Talvez, fosse melhor assim. "Não fazer por fazer".

    Eu tenho uma amiga que faz jornalismo. E um dia, fui na facul com ela. Conhecer, ver como é, e matar a minha vontade e curiosidade.
    Chegando lá, confesso que me decepcionei um pouco. Não era nada como eu pensava. Só tinha dois alunos dentro da sala dela. E vários outros andando para lá e para cá, em pleno horário de aula.
    Percebi muito desinteresse.
    Se eu estivesse lá, certamente seria chamada de louca, por expressar minhas vontades e ideias.
    Eu também não gosto de me sentir limitada.
    Me identifiquei totalmente com você.
    Somos muito parecidas mentalmente. rs

    E acho que, se eu estudasse contigo, seríamos uma ótima dupla. Daquelas que correm atrás, que não desistem e que têm bilhões de ideias na cabeça.
    Daquelas que expressam opiniões, que gostam de se superar e daquelas que vivem de verdade.
    Pois pra mim, quem não tem interesse por nada nessa vida, não passam de zumbis.

    Boa sorte com o curso. Espero que consiga fazer tudo aquilo que tem em mente. Beijos.

    ResponderExcluir
  9. É muito difícil mesmo quando nos decepcionamos em relação a alguma coisa. É triste quando achamos que vai ser uma coisa, e é outra completamente diferente. Também sempre fui desse tipo de aluna, que quer tudo e pouco mais, aos poucos a fui me encaixando no ambiente. Os trabalhos escolares em grupo, eu sempre fazia a maior parte e era chamada de "mandona" por querer que cada eu fizesse a sua. É complicado, mas tenta mudar de facul mesmo menina, corra atrás. Já passei por uma situação parecida, batalhe por aquilo que você quer independentemente do lugar que você estiver. Boa sorte.

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Nossa, eu me identifiquei muito nessas tuas palavras.
    Estou no primeiro semestre, de forma qu tive poucas aulas e as que tive gostei muito, eu amei o jornalismo e estou vivendo isso intensamente, mas como tu, tenho a sensação de que muitos que estão ali não querem nada com nada, pois são filhos de pais ricos e sempre tiveram tudo ao seu alcançe, as coisas foram sempre muito fáceis para essas pessoas. Eu, ao contrário da maioria estou estudando graças ao FIES, e como tu não tentei passar em uma faculdade pública, no meu caso pelo simples fato de que ter uma faculdade particular ao lado da minha casa era mais cômodo. Eu não me arrependi disso ainda, mas tbm já pensei que em uma pública eu esperimentaria muitas sensações que não vou chegar a conhecer na UNISC, mas faz parte, e aceitei isso, de uma maneira ou de outra.
    Para finalizar gostaria de te dizer apenas para não deixar teus planos de lado. Eu ouvi em uma palestra ontem que esse é o século dos que sonham, e que são pessoas com pensamentos como os teus que possuem mais chances de alcançar seus objetivos.

    Era isso :)
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. Você tem TODO o direito de se sentir assim. Você tem todo o direito de querer mais do seu curso. E eu sei que você merece muito mais. E sei também que você vai sempre dar o melhor de si e lá na frente será uma grande e respeitável profissional. Eu realmente acredito em você, Fran querida.

    (www.caixinhadeopinioes.zip.net)

    ResponderExcluir
  13. Fran, não sei se é prepotência minha dizer que entendo sua decepção com a faculdade em si (e não com o curso), mas acho que entendo, pois sinto uma coisa bem parecida.
    agora que estou no final, o que me resta é ficar aqui e terminar tudo de uma vez, mas também sinto essa limitação da minha faculdade, que é pública e mesmo assim não leva a sério o estudo da Psicologia...
    mas acalme-se, pois se a faculdade não permite esse seu crescimento, ao sair dela nada impede que vc cresça por si só!
    tudo q acontece tem um motivo, então tudo dará certo =)
    um beijo bem grande e grandes abraços!

    ResponderExcluir
  14. Sou bastante decepcionada com faculdade e te entendo. É como ja disseram aí nos comentários, você não tem limites, pode fazer o que quiser.
    Sobre carregar gente nas costas em trabalhos em grupo é tenso. Eu costumo tentar fazer sozinha, se não consigo eu peço apenas uma tarefa e a faço. Em qualquer conversa eu fiz minha parte e apenas ela.
    Você é novinha, deveria tentar uma federal sim :)

    ResponderExcluir
  15. Acho que estou sentindo essa mesma sensação que você. Ao contrário de ti, eu estudo numa universidade federal. E não é nada gratificante.
    Ainda não consegui me identificar com nenhuma matéria (mais pra fotografia e informatica aplicada ao jornalismo). As outras estão me deixando nervosa e muito tensa.
    Tenho ótimos professores, mas já no primeiro semestre estamos com uma matéria a menos porque não tinha professor pra ela.
    Em compensação temos uma professora louca que adora humilhar seus alunos, que não sabe explicar conteúdo mas é a mais exigente do curso!
    Eu sai de casa, estou num lugar estranho, com pessoas estranhas. Se quero um colo e chorar, fico sozinha chorando sem colo. Minha mãe está longe e estou tentando ao máximo não incomodá-la com meus desespero.
    Mas está agonizante. Sonhei com o jornalismo por anos e agora que cheguei aqui estou sentido que estou ficando pra trás, que aquilo que eu esperava não está acontecendo.
    Ainda não escrevi um A para nenhuma matéria. No máximo tirei algumas fotos e aprendi diagramação. Talvez seja exatamente por isso que goste das duas matérias que citei acima.
    Estou com um projeto de 700 páginas mas que me ajudou a animar um pouco. E continuo desesperada, angustiada e revoltada com a professora de Teoria da Comunicação.
    Tenho medo, muito medo de não alcançar as espectativas. A aula dela é aquelas em que ela fala, fala e nada se compreende. Seus textos são em códigos estranhos e não condiz com o que ela explica.
    Não dá. To cansada. Pego ônibus todo dia, e me sinto numa sala de cursinho. :x
    Te entendo perfeitamente, mas tenta fazer o melhor que pode. Busque sua vontade de projeto fora da universidade!

    Beeijos.

    ResponderExcluir
  16. A questão de faculdade é uma coisa complicada mesmo, Fran. É uma das coisas que só de pensar, me deixam com medo. Medo de escolher a coisa errada, medo de não conseguir, medo de não ser nada do que esperava e medo, principalmente, do que vai acontecer.
    Não entendo muito de faculdades, mas fico contente por você adorar o curso que faz e dizer que "o jornalismo me escolheu". Acho tão bom quando você se encontra num determinado curso/coisa. Algo que eu quero muito um dia poder sentir.
    É decepcionante quando alguma coisa não acontece do jeito que esperávamos. Mas o que unicamente nos pode ajudar é o tempo e pensar bastante. Ser forte e seguir em frente, não desistir de maneira alguma. Você está muito perto do final e não vai desistir agora, não é?
    Não sei bem se falei demais ou falei um monte de coisa sem noção, mas eu espero que dê tudo certo pra você, de verdade ♥
    smack

    ResponderExcluir
  17. Sempre quis fazer Jornalismo, desde... sempre. Infelizmente aqui no Sul não tem essa opção na UFRGS e agora só me restou o Design Gráfico. Mas eu não desisti, não.
    A questão é que realmente esse tipo de coisa - desinteresse, descaso, gente que ri e zomba de quem realmente quer aprender algo - é comum, muito mais comum do que o oposto.
    O que você precisa ter em mente é não se conformar com a situação. E também saber que sempre existirão outras oportunidades - talvez melhores, ou não - e outras coisas a fazer. A coisa é não desistir. E o melhor a ser feito em situações nas quais não podemos fazer "nada" é escrever. Funciona.
    Bjo! (espero que as coisas melhorem)

    ResponderExcluir
  18. passei pela mesma coisa
    desiludi com vida academica
    e trabalhos em grupo sao uamd ecepção pra quem gosta de ler e escrever


    e identifiquei

    ResponderExcluir
  19. Uau. Esse post só serviu pra esclarecer minha mente. Sério. Eu acabei de me formar no ensino médio e to com expectativas monstras pra faculdade de relações internacionais ><
    Tava morrendo de medo de ir pra uma particular exatamente por isso aí, mas depois dessa vou tentar harder pra entrar na pública \o/

    beijos :**
    http://asweetdork.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Simplesmente UAU! Tô pasma! Caraaaaa, você escreve muuuitooo! Qualquer coisa vc conseguirá na vida! só tenho a dizer que vc é uma 'Classuda' e 'se ou quando' eu montar minha empresa de cosméticos (faço química industrial) Gostaria muuuito de ter você fazendo propaganda ou escrevendo em prol dos meus negócios. GATA! Sai dessa, vai lá e arrasa! Mostra pra todo mundo que você não precisa do espacinho...vc conquista sem sombra de dúvidas o mundo!

    ResponderExcluir
  21. Preciso MESMO conversar com você sobre isso, bonequinha :\
    Segura as pontas aí!! A hora dessa conversa logo logo vai chegar. E, com certeza, farei o que estiver ao meu alcance para te ajudar.

    Te amo. Muito.

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.