Feminismo

Mulheres de peito

15:31

Final de semana passado estava no MSN com Rafa, Alê e Gabi conversando sobre moda e It Girls. Entre nossos pontos de vista, Gabi disse que admirava muito mais uma mulher que tem peito (sim, ela mesma fez piadinha com esse trocadilho infame, hahaha) pra usar o que quisesse a uma que seguisse as "regras" apresentadas em programas e blogs de moda. Todas nós concordamos, claro.

Queria ter postado antes sobre isso, mas não tive tempo. Não pude discordar da Gabs, especialmente por já ter pensado em postar sobre as It's: é preciso ter muita coragem hoje em dia para, além de se vestir como você quer, como você se sente bem, sem seguir as ordens dos demais, fazer aquilo que lhe faz bem e só diz respeito a você. Tudo bem, já dizia Chanel que quando uma mulher se veste bem, notam a pessoa que ela é. Mas isso não significa ser-como-todo-mundo-é.

Posso exemplificar tudo isso com três pessoas do meu "Top Mulheres de Peito" (em fase de montagem e adaptação, já que também existem homens notáveis por aí):




♥ [Gabrielle "Coco" Chanel]  Numa época onde o padrão de beleza era construído por mulheres robustas apesar de suas cinturas de até 43 cm devido ao uso do espartilho, Chanel abriu sua primeira chapelaria em 1910 e durante os anos que seguiram, criou peças confortáveis, com tecidos leves, utilizando-se de peças masculinas e excluindo os espartilhos de suas criações.

Nota pessoal: Não sei se ela tinha envolvimento com o nazismo ou não, mas é uma das minhas "feministas" preferidas.




♥ [Audrey Hepburn] Audrey é considerada por uma multidão de pessoas (não somente as "It's") como modelo ideal de beleza e elegância. Pouco ou nada se fala, porém, de suas ideias, sua educação e suas lutas e ideais humanistas  e que, em 1987, foi Embaixatriz da Unicef- fatos que certamente são mais importantes e marcantes em sua personalidade que sua aparência e fazem com que ela seja considerada um exemplo.





 ♥ [Demi Lovato] Ela é linda e eu tenho basicamente a mesma idade que ela. Ela, no entanto, passou por transtornos alimentares e problemas psicológicos. Podem me chamar de fútil, mas eu tive que colocá-la aqui, especialmente porque hoje, os problemas pelos quais ela passou não são nada difíceis de serem encontrados. Demi, no entanto, reconheceu e tratou-se. Hoje faz campanha pelo bem estar, pela alta autoestima (rs), dá "conselhos" e frequentemente posta em seu twitter mensagens positivas. Eu também poderia citar a Anahí aqui. 
Nota pessoal: Fico pra morrer quando vejo notícias sobre o visual dela ou insinuando que ela, hm, ganhou uns quilinhos.



Essas três (quase quatro, com mais dezenas de personalidades) fizeram exatamente o que "não importa" (com aspas, claro) hoje em dia: foram contra a maré. Inovaram, acreditaram em um mundo melhor, cuidaram de si e se aceitaram como são, ainda que sua aparência não seja considerada o padrão (lembrei: Adele seria um bom exemplo de se aceitar independente de como você é, e reconhecer o que há de melhor em si).

Poderia citar Naomi Wolf e seu "O Mito da Beleza". Eu poderia citar Simone Beauvoir e toda sua inteligência. Ou Leila Diniz quebrando tabus, bem como Pagu. Eu poderia citar aquela menina, amiga da(o) amiga(o) que deu a volta por cima. Ou poderia citar a amiga que está se esforçando para reconhecer o problema em que se meteu e quer sair dele. Ou aquela menina da rua da frente, pra qual ninguém dava nada e hoje é imensamente bem sucedida. Ou aquela menina do colégio que sofria bullying (desculpa, não importa o que digam, eu realmente acho isso algo sério) e hoje é feliz consigo mesma. Ou a Marni, de You Again. Ou a Andy, de O Diabo Veste Prada. Ou... Infinitos exemplos, insira aqui o que melhor te define.

Parece meio óbvio, mas não custa repetir: ser It não é usar Chanel, Prada, Dolce & Gabbana ou seja lá o que for e agir como se apenas isso o fizesse melhor que alguém. Não adianta receber brindes e ser convidado para participar de eventos de moda e descrevê-los em seu blog/revista/diário se você não tiver o mínimo de educação para lidar com as pessoas, com seus leitores ou com colegas de trabalho. E isso não quer dizer ser obrigada a gostar de todo mundo, mas tratá-los com respeito. Quem sabe fazer algo para ajudar alguém ou mudar o pedaço do mundo onde você vive.

Admito que nem sempre me sinto bem comigo mesma, seja por um comentário, pela falta dele, por problemas pessoais ou piadas que circulam por aí, independente de serem sobre mim ou não. Confesso que me contorço de raiva/frustração quando vejo um comentário maldoso sobre alguém (e que, algumas - muitas - vezes, me arrependo de alguns que faço e prometo controlar minha língua). Mas admito também que gosto de refletir/debater sobre assuntos assim, que essas pessoas me inspiram e que fico orgulhosa por ter amigas que fazem parte desse grupo.

Mas, acima de tudo isso, admito que um dia quero ser vista como uma mulher de peito (sem trocadilhos!) por alguém. Por mim mesma. Definitivamente. Que não quero ser todas essas que admiro ou seguir os passos delas: quero ter coragem o suficiente para ser eu mesma, para construir meu caminho e dar meus próprios passos, ignorando completamente qualquer comentário infeliz que possa surgir e deixando que coisas tão baixas e negativas me atinjam. Que, se for pra falar de algo, falemos de atitudes, não de aparências. Que eu possa me descobrir e consiga me enxergar exatamente como sonho em ser.

(E quem sabe um dia, servir de inspiração pra alguém...)


{Fotos via WeHeartIt}

19 comentários

  1. então, depois que li esse post, não vou aceitar que você morra de vergonha de fazer dança do ventre (como você comentou em meu blog), ok? :)

    ótimo texto e eu super concordo com você. eu era a nerd sem graça na época da escola, mas consegui dar a volta por cima e posso dizer que hoje estou bem comigo mesma (eu preciso estar, eu preciso acreditar nisso).

    e eu estou cansada de toda essa futilidade; esse negócio de que p/ ser "cool" tem que ter a roupa da moda, maquiagem (cara) importada e coisa do tipo. eu quero mais é conhecer gente que fale coisas interessantes; gente com boas ideias; gente que esteja acima das roupas/sapatos/perfumes de marca... gente educada, como você mencionou.

    ;)

    (ah, sim, coloque fotos pessoais em seus posts, você vai ver, é só questão de começar a fotografar p/ você não querer parar)

    minha primeira visita em seu blog foi no post anterior, mas gostei mesmo daqui e voltarei sempre ;D

    beijinho

    ResponderExcluir
  2. Audrey e Coco: Elegância pura. <3
    Ahh, e Coco tinha envolvimento com o nazismo, sim. Ela era até uma agente! Mas Coco tinha peito? :O Disso eu não sabia.
    Postei de novo lá, Fran *-*
    Beeijo <3

    www.quasedescolada.com

    ResponderExcluir
  3. A Demi, pra mim, é a maior inspiração dessas aí (talvez por ter a oportunidade de acompanhá-la e tudo o mais). Não entro em detalhes, mas ela já salvou minha vida, tipo, na moral. Ela é incrível. Sem mais palavras.
    Também torço pra ser uma mulher de peito pra alguém um dia ou, ao menos, poder ajudar alguém que esteja passando por problemas pelos quais eu já passei. Outro dia uma menina veio me pedir ajuda no tumblr e eu fiquei super aliviada comigo mesma por poder ajuda, sabe, ainda que apenas com palavras... É uma sensação muito única. E agora, sempre que ela pode, passa lá, anonimamente, e diz o quanto me admira e o quanto é agradecida. Pode parecer besta, mas, quando acontece contigo, é incrível.

    E tu já é demais, Fran, haha (:
    Beijos <3

    ResponderExcluir
  4. Coco não era nazista não! Já li biografias dela e ela chegou a se envolver com um espião, mas foi só romance, haha.

    It Girl é aquela mulher ícone, não que usa roupas de marca como você mesma disse. Infelizmente esse termo se banalizou.

    Eu amo a Audrey Hepburn, tanto por ter sido uma maravilhosa atriz como também por ter sido uma extraordinária mulher e mãe. Tem dias que perco só procurando citações dela.

    Gente não curto a Demi! Hahaha, mas acho que é por causa da música, só isso. Gosto do fato dela não ser doida varrida como certos famosos da idade dela.

    Post super bacana! Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Menina acabei de ler seu perfil e vi que voce mora em Jacareí. Eu moro em SJC! Pertinho! Haha, beijo!

    ResponderExcluir
  6. Audrey tem o meu respeito. Tanto como atriz que foi, maravilhosa, como ícone de moda. Ela, sempre básica sem deixar de ser sofisticada, mostrava o simples que há na beleza, indo contra tantos exageros. Eu acho digno. Gosto de um visual mais clean e classudo. :D

    ResponderExcluir
  7. Aplausos! Eu vivo me forçando a não me importar taaaanto com as coisas mais superficiais e admiro muito a Audrey e a Adele (gente, amor eterno àquela diva). Fiquei com muita preguiça do "mundo da moda" ultimamente, não porque deixei de gostar de me vestir relativamente bem, mas porque não aguento mais essas revistas e esses blogs de moda. Não existem valores ali, sabe? Quer dizer, não geralmente.
    Olha, eu acho que a senhorita está muito bem encaminhada nessa vida. As ideias já estão todas na cabeça, você vai colocando-as em prática aos poucos e um belo dia vai acordar e ver que está inspirando pessoas.
    Beijo, Franzinha!

    ResponderExcluir
  8. Lendo seu post eu já estava pensando que não são só mulheres que querem ser It's.

    Homens também. O mundo é vasto e tanto, para nós que somos jovem, quanto para os que já são mais velhos nos chama para nos mostrarmos, de alguma forma.

    Eu admiro a Audrey. Ela era uma verdadeira lady, mas teve uma personalidade incrível, que ela não exitou em mostrar. A Gabrielle era uma dama de linhagem dura, mas também não deixa de ser encantadora. E a Demi é jovem, faz parte do mundo teen, que muitas vezes nos oferece muito mais porcarias do que coisas boas, mas que, de vez em quando, nos mostra exemplos como o dela. Curto as músicas e o estilo.

    Não tenho medo de falar isso. Apesar de ser estranho um homem admitir determinadas coisas. Também é difícil para o homem se mostrar certas vezes.

    Por isso, acho que ser it vai muito além de mostrar o que é. Chega ao ponto de ir contra a maré, cetas vezes, mas também de ser o objeto de mudança. Ser uma luz, um novo jeito de pensar. Fazer diferença sendo diferente e não se moldando aos padrões só pra conseguir fazer algo.

    E quanto a você, moça. Você já é it. Sei que não te conheço bem, mas sei, pelo que observo, que você não é igual a maioria. E isso já é favorável à você.

    Beijo! Como já havia dito no twitter, repito: Ótimo post.

    ResponderExcluir
  9. Audrey sempre brilhará.

    Belo blog.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. homens admiram mulheres auto confiantes e ponto
    bjus para vcs!!!!

    ResponderExcluir
  11. Franzinha, já conversamos sobre isso! :D
    Essa mulheres são realmente admiráveis e foram importantes pra moda TAMBÉM. O importante é isso, ter a cabeça feita. :D

    Também quero ser uma mulher de peito, mas em todos os sentidos, hehe.

    Ainda seremos mulheres admiráveis! Seremos! ;)

    Beijo <3

    ResponderExcluir
  12. Fran, conheço muitas mulheres de peito, em todos os sentidos. Hahaha! Mas olhe, antes de vestuário e estilo, o que faz um mulher "it" é com certeza ter MUITA personalidade! Um beijo

    http://biacentrismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Hey, obrigada por ter comentado no Awn winter!
    Ah, adorei o post!

    ResponderExcluir
  14. Arrazou,
    mulheres de peito é tudo o que todas nós queremos ser, coragem é o que nos falta. Pois infelizmente quando tentamos nos sentir bem, vem alguém com sua língua e acaba destruindo o que tentamos construir.
    Acho que temos que mudar, começando pela gente :)
    Parabéns pra você, por tudo, principalmente pela coragem.
    Bjos ;*

    ResponderExcluir
  15. Eu acho que todos acabamos nos preocupando com o quê as pessoas falam de nós... da nossa aparência.Não adianta negar..QUALQUER PESSOA se importa! Mas se você se sente bem com pouco ou muito peito,quem liga cara?Ah,dane-se :)

    -

    Saudades daqui tbmmmm *____*

    ResponderExcluir
  16. Acho que mesmo as Its no fundo desejam ser um dia mulheres de peito. Porque vamos ser francas: quem nunca acordou um dia (ou vários dias seguidos numa mesma semana) odiando tudo o que tinha no guarda-roupa e achando lindo o que outra mulher estava vestindo? Acho muito difícil, mas o dia em que estarei muito confiante será o que não olhar para o lado e achar a roupa de outra pessoa mais legal, quando aprender que posso estar bonita só de camisa regata. E olha que esse dia ainda está longe.

    ResponderExcluir
  17. "se for pra falar de algo,falemos de atitudes" disse tudo.Admiro especialmente a Audrey,que,ao meu ver,consegue transmitir até mesmo no modo como se veste sua personalidade,seu refinamento,sua discrição e suavidade.Também quero me descobrir e mostrar quem sou sem tanto receio pela opinião dos outros.

    bjs

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.