Listas

de tudo que preenche a (minha) alma. - parte 2.

21:36

(daqui)

No post passado disse que faria dois textos: Um contando meus planos para 2012 e o outro será imitando descaradamente o post da Gabi e contando minhas aprendizagens esse ano. Foram poucas, acredito eu, mas é sempre bom relembrar e reforçar cada pequena coisa importante do nosso dia a dia. Ao menos pra mim, já que tenho sérias tendências a ser cabeça dura e/ou extremista.

- Ter sempre um guarda-chuvas na bolsa.

É uma imitação na caruda do primeiro item da lista de aprendizagens da Gabs, mas é verdade. Esse ano entrei pra faculdade e é em uma cidade relativamente longe. Eu vou e volto todos os dias, a noite, de van. Meu guarda-chuva não sai da minha bolsa desde o início das aulas, quando descobri que Mogi das Cruzes tem um clima completamente diferente daqui. E nunca se sabe. Mesmo quando eu olho o ClimaTempo. E tomar chuva em Mogi, as 22h, esperando van, é muito ruim.

- O valor do dinheiro.

E não tô querendo dizer que passei a economizar 100% nem nada disso. Ainda não cheguei a essa etapa tão pura da vida. Quem me dera. Mas eu trabalhei esse ano. Tudo bem que foram só dois meses, mas eu aprendi como é bom ganhar seu próprio dinheiro, com seu esforço e comprar algo realmente SEU. No meu caso, uns livros, ir pra SP e colocar boa parte na poupança. Eu tirei da poupança, mas durou o ano todo, rs. Eu bobeei(?) e não procurei mais nada o ano todo, infelizmente. Mas pretendo conseguir algo pro próximo ano. E, gente: trabalhar é ótimo. Por menor que seja, por mais simples que seja. É ótimo, mesmo.

- Ninguém vive sozinho, mas...

Como eu disse, eu entrei pra faculdade. E, olha. São pouquíssimas as pessoas com quem eu gosto de conversar DE VERDADE. Não sei, não combino com o estilo/ritmo delas. E eu tive alguns problemas com relação a trabalhos em grupo que DESCULPA, eu preferia ter feito sozinha, já que carreguei nas costas mesmo. Mas aprendi, nesse final de semestre, que eu não tenho obrigação de carregar nas costas quem não faz nada, quem não ajuda e coisas assim. Pela primeira vez na vida tomei coragem e tirei o nome de pessoas assim do trabalho. Não é problema meu, sinto muito. Não terei mais dó. Da mesma forma, não obrigaria ninguém a me carregar nas costas, então...
Eu não sei como farei em relação a futuros trabalhos, porque acho que algumas coisas ainda serão complicadas. Mas vamos ver, já que serão matérias novas e turmas separadas.

- Valorizar os que ficam. E os que chegam.

Não lembro onde li, mas há uma frase que diz "Só pelo andar da carruagem você sabe quem vem lá dentro". Eu aprendi isso esse ano. Quer dizer, levando em consideração que tem 80 pessoas na minha sala, raríssimas são as que eu posso chamar de amigo. Levando em consideração as meninas da Máfia, de alguma forma estranha, já gosto imensamente delas. Levando em consideração meu medo de perder as pessoas, depois que saí do ensino médio, descobri que amo imensamente aqueles amigos que permaneceram comigo e suportaram minhas crises e birras. Que, com toda paciência do mundo, conversou, quis que nos entendêssemos melhor, explicou o que acontecia, opinou, etc. São poucos se tratando de uma sala de 40 (80, incluindo a outra turma). Mas eu, que tenho o pior gênio do mundo, aprendi a valorizá-los ainda mais. Eu queria poder abraçá-los o tempo todo e tudo o mais, mas seria meio psicótico. Enfim, fica aqui registrado todo meu amor por vocês, que ficaram.
OBS: Isso inclui mais gente, desde as que conheci no blog até as que conheci na Orquestra... Por exemplo.
OBS2: Isso também inclui minha família, porque já passei/passamos por tantas coisas que, olha...

- Ouvir/Confiar.

Apesar de a Mayara ter acabado de dizer que não (te amo), eu me acho um tanto estressada às vezes. Explosiva. Estouradinha. E eu tenho tendência a brigar muito com certas pessoas (Beijo Renan, beijo Bruna, mãe, pai, etc.). Não é que funcione sempre, mas eu aprendi esse ano a conversar e não ter medo disso. Funciona, mesmo que eu tenha que ter várias conversas esclarecedoras com muita gente o ano todo. E gosto muito quando isso acontece, porque a sensação que de não sou importante (hahaha) passa e passo a me sentir mais querida. É. Sou dessas.
Sobre as minhas crises de me sentir não importante, aprendi que: ninguém me chamaria de amiga, de melhor amiga, nem diria que gosta de mim ou coisas do gênero se não fosse verdade. Quer dizer. Eu aprendi isso, e é nisso que confio agora.

CONSIDERAÇÕES FINAIS.

Eu só tenho 18 anos e sei que ainda tem muita coisa pra acontecer e muita coisa pra viver. Dessa forma, muita coisa pra eu aprender. Espero que 2012 me traga exatamente isso: Aprendizagens, prazeres e bons sentimentos, coisas positivas e que me façam crescer. E é exatamente o que desejo a mim que desejo a todos os meus amigos, família e a vocês, leitores. Deixo aqui, para todos, o meu muito obrigada por tudo. Com todo carinho!

10 comentários

  1. Também só tenho 18 anos, e com o pouco que sabemos já podemos fazer a diferença, cada vez mais e melhor. Que 2012 traga muitas coisas boas, e muitas experiencias novas.

    ResponderExcluir
  2. 18 anos, tão novinha, Fran :)

    ahá, gostei dessa do guarda-chuva; também já sofri muito com trabalhos em grupo que eu fazia sozinha; é irritante, principalmente quando isso passa a ficar constante.

    eu comecei a trabalhar com 19 anos e não parei desde então. é ótimo ter o nosso próprio dinheiro; pouco ou muito, é nosso; e isso nos deixa mais maduros também.

    que a gente aprenda muito em 2012.

    beijo, dona Fran :)

    ResponderExcluir
  3. AAAAAH COPIOOOONA!!!
    adhauidhiashduihasdas, bricadeirinha! :P

    Guarda-chuva na bolsa: muito importante!

    Preciso arrumar um trabalho!!!!

    Preciso aprender a ter coragem de tirar nome desses chupins dos trabalhos, sério mesmo!

    Também aprendi a valorizar as pessoas, essas que estão sempre com a gente, ai <3

    Preciso aprender a confiar também. Não só nos outros, mas em mim mesma!

    Meus votos pra 2012, faço depois!

    Beijo, Franzinha <3

    ResponderExcluir
  4. As suas 3 "lições" inciais são lições que eu também tomei da vida, porém não esse ano, mas quero dizer que compreendo o que você quer dizer.
    Você disse que são poucas as coisas que aprendeu, eu discordo, acho que foram muitas, acho que é medido pela intensidade e valor delas, então vale por muitas. :)

    ResponderExcluir
  5. o do guarda chuva foi o melhor rsrs
    boa passagem de ano bjão

    ResponderExcluir
  6. Eu disse que comentaria. Estou atrasada, mas estou aqui, imersa na doçura do teu palanque. Que 2012 traga tudo o que você espera e tudo o que não espera - mas que seja doce HIASHIOASJ *-*

    Um beiiijo, saudades tuas meu amor!

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Ponto para o título do seu blog
    - muito criativo, e ponto também
    para o conteúdo das postagens.
    Bons textos os seus! Beijão;)

    ResponderExcluir
  9. beuxa, esse negócio de andar com guarda-chuva na bolsa é indispensável! simplesmente não dá! uhsahushuasa
    Isso da turma, das pessoas e tal, comentei contigo, né? sinto exatamente igual. É como se eu fosse uma goiaba num caixote de laranjas :s muito tenso.
    Mas vida é isso mesmo, né? quefazer =~

    acho que eu nem conseguiria fazer uma lista dessas, foi um ano muito estranho, muito mesmo.
    bjo beuxa.

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.