Pitacos

Dicas de como ser você mesmo.

22:05


Há um bom tempo, quando acessava com frequência o Orkut, entrei em uma comunidade chamada "Precisa Rever seus Conceitos?". Nunca saí, e acredito que ela ainda esteja lá. Bom... Não achava que um dia realmente fazia jus a ela. Até esse ano.

Sempre tive um lado um tanto teimoso, impulsivo... E sempre senti necessidade de contar aos meus amigos o que eu sentia, meus medos e problemas. Sempre gostei de ouvir "opiniões". Porém, de uns tempos pra cá, algumas coisas aconteceram para que eu abrisse os olhos. De uns tempos pra cá, eu precisei rever meus conceitos.

Começou a acontecer de eu fazer pequenos comentários ou brincadeiras com gente que eu realmente considerava e recebia respostas absurdas, pra não dizer ridículas e um tanto quanto estúpidas. Mas, em vez de eu ignorar tudo isso, algumas coisas começaram a me deixar realmente mal. Por um tempo, alguns dias talvez (porque dos males, o menor), sentia como se eu fosse a errada. Como se cada passo que eu dava fosse sujo e abominável, sem falar de alguns pensamentos e vontades que tinha, coisas simples. Cotidianas. E eu, que já tenho a tendência a me sentir dividida entre palpites alheios, comecei a pensar que eu estava sendo completamente ridícula - em conversas com, provavelmente, senhores e senhoras da razão. Mais uma vez.

Esses dias passaram e eu finalmente voltei a razão, com a certeza de que não, não estava agindo como uma criminosa, prostituta, traficante ou seja lá o que for que achem tão ruim. Estava agindo como eu mesma. Sem pudores e sem a necessidade de me martirizar e culpar por cada ideia minha. Não matei nem roubei ninguém. Por que diabos não poderia agir de acordo com - sim - meus valores e ideais? Esses dias passaram e eu finalmente pude perceber que são raras pessoas que podemos mesmo levar em consideração nessa vida.

Hoje fico pensando em como pude deixar determinadas pessoas fazerem com que eu me sentisse tão... culpada. Simplesmente por ser eu mesma. Por querer o que queria. Como pude deixar que o pessimismo e a (por que não?) cegueira alheia me atingissem.

Pois bem. Parte 1 levada à tona, iremos para a parte dois: desconhecidos influentes. Como?

Na internet (bem como nas bancas de revista, a que tem na fila das lojas Americanas do shopping daqui) existem, sei lá, milhões de dicas, pra tudo (tipo uma revista Nova com as 1000 dicas, não semanais, mas diárias). Tive a crise de insegurança novamente lendo dicas de comportamento de pessoas que sequer me conhecem. Que sequer sabem pelo que eu passo. Como disse a Luh, não é tudo 100% descartável, claro. Mas em hipótese alguma essas dezenas de listas e essas centenas de dicas, todo esse "o que fazer ou não, como fazer ou não, como agir com isso, como agir naquele determinado lugar" se aplicará a todos. Talvez, num momento de insegurança (ou fraqueza) ou, como disse um amigo meu "molde de identidade" (a essa altura do campeonato, mas enfim), isso tudo tenha me atingido.

Como se eu não fosse boa o suficiente para ter amigos. Para alguém gostar de mim. Para me dar bem na vida. Para ser uma boa filha-irmã-sobrinha-neta. Para ser aceita socialmente. Por alguns instantes, foi como se nada que construi nesses dezoito anos fossem valer alguma coisa.

Felizmente toda essa crise existencial passou (oremos) e, exclusivamente entre ontem e hoje eu consegui lições e reflexões valiosas e acredito firmemente que, ao menos, me esforçarei ao máximo para não cair "nessa" de novo. Aprendi que ser um tanto mais seletiva é e sempre será necessário, o que não significará ser contida ou deixar de me expressar... E que o que eu não posso nunca deixar acontecer é aceitar ser criticada por pessoas que sequer conseguem enxergar além daquilo que lhe convém. E menos ainda deixar minha autoestima ser abalada por "regras" tão mecânicas quanto um robô.

Quis escrever isso, sinceramente, por egoísmo. Pra deixar tudo isso registrado pra mim mesma, embora saiba que isso pode (e vai) acontecer com tantas outras pessoas. Mas quis registrar por mim. Para que eu jamais me deixe esquecer quem sou de verdade e o meu real valor.



E pra vocês, minha (atualmente) preferida:
http://www.youtube.com/watch?v=E9BweMj8upo

13 comentários

  1. Poxa minha prin.cesa (quanto tmepo não et chamo assim, hein!?), eu entendo muito o que você diz.Inclusive, me identifico em partes...Mas espero do fundo do meu coração que eu não tenha sido um desses mal julgadores e ouvintes, caso tenha sido me desculpa mesmo!Sabe que além de tudo tenho estado meio viajando ultimamente, brincando de mais, me desculpe se algum desvaneio te afetou.Quanto o resto esse molde de identidade será construido sempre, pois semrpe teremos mal julgadores, aqueles que tiram cinclusões sempre te comparando a história de outras pessoas sem realmente se interessar pela sua, e digo mais estaremos sempre diante de novas situação que testarão valores antigos e servirão para construir novos valores e principios.Só não se esqueça do seu coração e confie em tudo que já aprendeu com a vida, pois se houver outra lição somente ela poderá lhe mostrar.Muitos te aconselharão com o coração e se equivocarão, enquanto outros dirão qualquer coisa pra se sentirem "ajudando" e ainda haverá uns raros que te conhecerão a ponto de saberem na medida certa quando aconselhar e o que aconselhar mas saiba que até esses são passíveis de erro, aí basta vc reconhecer quem te gosta e quer bem, quem etsá a falar por boa vontadee não por arrogância ou qualquer outra situação despresível.O resto "mira pra fé e rema"!

    ;)

    Te amo muiiito!
    Estou aqui,sempre,sempre!
    Beijão!!

    ResponderExcluir
  2. Agora entendi pq há alguns dias vc "curtiu" uma frase onde eu dizia que estava cansada de ser julgada, rotulada e condenada por atitudes que os outros acham que não combinam comigo.
    Também passei [e ainda passo] pela experiência de falar algo e receber um par de olhos arregalados à minha frente, ainda mais quando o assunto é o "abominável" sexo. Aí, eu me sinto uma Sandy, né? rs
    Onde cada passo meu é analisado e julgado por aqueles que acham que me conhecem.
    Mas que saber? Decidi ligar o foda-se antes que os ideais dessa sociedade maluca fodesse comigo [desculpa a expressão XD]

    Um beijo flor ;*

    ResponderExcluir
  3. Essa franciellen sempre escrevendo com uma verdadeira jornalista/escritora. Fico tão feliz por estar seguindo esse rumo da sua vida e realizando um sonho que também é meu. Mas então vamos ao seu texto: Sou muito assim também. Sempre vivendo com medo de ser rotulada, ou medo de falar algo que não vão gostar. Sempre pensando nos outros antes da pessoa mais importante que sou eu. Mas fico me perguntando, é um defeito? Não sei se estou enganada, mas acho que não. A gente é assim e acho que devemos ficar assim. Mas nunca deixar nós mesmos de lado.
    Bem, acho que voltei com o blog. :))
    Beijos s2

    ResponderExcluir
  4. sinceridade, texto bom, transparente
    gostei muito
    ha tempos não vinha aqui


    los hermaos: se eu fui aquele que eu escolhi ser..

    nós somos resultados do que quisermos!
    bjus

    ResponderExcluir
  5. O importante é nunca deixar morrer sua essência, pois essa que te faz você.

    Eu particularmente adoto a regra: me ame e fique ao meu lado, ou me odeie e me esqueça...
    heheh

    Lindo o blog, adorei.

    ResponderExcluir
  6. Poxa, flor!
    Sempre haverá pessoas que nos decepcionarão com seus julgamentos de merda! Seja sempre você mesma, esse realmente é o caminho!
    Passei para agradecer suas palavras sobre o filme no meu blog e acabei me deparando com esse texto aqui.

    Enfim, força e não perca sua essencia!

    beijão!

    ResponderExcluir
  7. Putz, que máximo esse texto.
    Disse tudo..
    Beijos :*

    ResponderExcluir
  8. o bom é vir aqui, ler um texto seu e ficar me sentindo um graminha melhor por não ser a única a ter crises de patinho feio aqui (:

    ResponderExcluir
  9. É legal sermos nós mesmos independente se vamos agradar aos outros ou não. Na maioria das vezes não agradamos,fazer o que né? Gostei muito de sua colação. Seja você sempre minha querida, assim será muito feliz. beijos

    ResponderExcluir
  10. é bom sermos nós mesmos mas cuidado com egísmos pois vivemos em sociedade e dependemos uns dos outros.

    ResponderExcluir
  11. Valeu o depoimento. Pra sermos nós mesmos é necessário coragem. E vale muito a pena.

    ResponderExcluir
  12. muitoo bom estava precisando ser eu mesma obg esse texto me ajudou muito

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.