crônicas e contos

Restos de uns Carnavais.

16:05


Toda aquela magia estava espalhada pelo chão. Confete e serpentina já não fingiam mais ser a felicidade demonstrada pelo coração, purpurina e lantejoula já não disfarçavam o real brilho do olhar e as máscaras e fantasias finalmente caíram. Naquela avenida, restos de carnavais passados traziam lembranças, histórias, sons e segredos que até então, ele desconhecia. Aquele carnaval, por sua vez, prolongava por cada segundo de seus dias, por onde quer que ele passasse. Já não distinguia mais o verdadeiro brilho, o verdadeiro significado da expressão de cada face, ou quando o coração realmente se alegrava. Todas aquelas cores e aquele brilho traziam consigo uma sensação desconhecida. Era como se todas aquelas histórias não tivessem, de fato, acabado. Era como se cada metro quadrado daquela avenida tivesse uma história adiada. Como se cada pessoa que passou por ali preferisse deixar pra depois, preferisse fingir, comemorar algo que não havia terminado. Bandeiras, faixas e flores faziam parte daquela avenida (re)colorida. À medida que ele caminhava, lembranças que nem haviam sido presenciadas por ele invadiam sua mente. Era como se, no meio daquela bagunça, pudesse encontrar algo verdadeiro. Tudo aquilo distraia sua mente, tudo aquilo fazia com que ele nem percebesse que ainda havia algo que ele não tinha encontrado. Algo que realmente comemorava, cujos sentimentos eram reais. Um olhar que realmente brilhava, como estrela. De alguma forma, toda aquela purpurina, todo aquele confete havia sido lançado no ar, mais uma vez. Era a vez da sua festa, da sua música, da sua dança. Havia chegado a hora da sua vida, o momento do seu coração bater forte. Não se sabe quanto tempo levou, mas de alguma forma, seu olhar encontrou aquele que o seguia, sua estrada havia sido refeita com flores e o céu brilhava de uma forma até então desconhecida. Era ela. Agora tão notada. Finalmente, ele havia sentido o gosto, a satisfação da chegada. Ele sorria um sorriso sincero e ela possuía um brilho no olhar. Um precioso brilho no olhar, como quem dizia "sou sempre sua".

12 comentários

  1. é, às vezes só nos encontramos no meio da bagunça ;o)

    beijos, flor

    MM.

    >>> tá lindo o lay

    ResponderExcluir
  2. ótimo texto. Parabens pelo teu blog, muito bom.
    Maurizio

    ResponderExcluir
  3. Geeeente...Poético que até dói!
    Mto fofo! ^^


    Existem casos que pedem um ponto final bem dado.

    Podemos marcar um dia, flor!


    Beijão.

    ResponderExcluir
  4. Não deixar que momentos bons morram. preciso lembrar que adoro seus textos Fran? Bjsmil

    ResponderExcluir
  5. Eu venho aqui e deixo um suspiro. Tantos carnavais apaixonados. E como sempre lindo.

    ResponderExcluir
  6. hey!
    quanto tempo!! :)
    olha eu mudei de blog ok.ey?
    continuo com o palavras delicadas mas agora ele ta no wordpress.

    http://palavrasdelicadas.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  7. Só passando para dizer que tem selo pra você no meu blog ;*

    ResponderExcluir
  8. aiai
    *suspiro
    :*

    ~
    aparece mulheer.
    ah, e, querida, por favor troque o url do blog. esse que você tem linkado foi deletado faz uns dois meses D:
    beijo.

    ResponderExcluir
  9. Desculpa o sumiço,
    corrido fim de semestre,
    cheio de aulas para completar os cursos especificos e tal...

    E ainda to com outro blog. ^^


    Eu to trocando de blog e te aguardo no novo, tá? ^^
    www.euthiagoassis.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Tem um selo no meu blog pra você.^.^

    ResponderExcluir
  11. Olá Francy :)

    Preciso da tua ajuda ... Será que me podes explicar como funciona aquela coisa dos selinhos ? Ficaria muito agradecida (:

    Beijinho.

    PS: Amei o eu blog. Adoro os textos (:
    Nunca deixes de escrever.

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.