crônicas e contos

; vestidα de ouro e poeirα...

14:58



Chegou.
Chegou também.
Ela foi fuçar uma prateleira de livros.
Ele foi ver qual time estava na primeira divisão.
Eles estavam em sentidos totalmente diferentes.
Ela era reservada e intelectual.
Ele era um moleque crescido.
Eles tinham interesses totalmente diferentes.
Ela resolveu levar as melhores obras de Drummond e Shakespeare.
Ele preferia a loja de jogos, ao lado.
Eles.
Ela quis procurar música boa.
Ele queria um CD com músicas 'do momento'.
Eles estavam, talvez, próximos demais.
Ela se interessou por Buarque e Duncan.
Ele só queria saber dos MC's e DJ's.
Próximos demais.
Ela carregava uma pilha de coisas na mão.
Ele, com seu jeito todo atrapalhado, fez-a derrubar tudo.
Ela, um tanto quanto nervosa, se abaixou para recolher.
Ele, desconsertado, quis ajudar.
Elas. As mãos. Se encontraram.
Ele a olhava fixamente.
Ela sentia algo estranho. Sentia-se envergonhada.
Eles. Os olhares. Se entregaram apenas pelos olhares.
Ela sorria timidamente, agradecida.
Ele quis lhe pagar uma bebida.
Ela sugeriu um café, desde que dividissem a conta.
Ele achou engraçado. 'Ela era decidida demais'.
Ela o achou diferente. 'Todo atrapalhado'.
Eles. Mais próximos do que deviam.
Então, Um milhão de coisas aconteceram.
Um milhão de sentimentos.
Um milhão de decisões.
Um milhão de palavras, risos.
Algumas discussões, outras decepções.
Algumas rotas mudadas.
Então, depois de todo aquele tempo juntos, não podiam mais desviar seu caminho.
Ela. Frágil demais. Seguiu o rumo inevitável que lhe deram como opção.
Ele. Um típico machão. Tentava ser forte, tentava consola-la.
Ela se foi.
Ele continuou sua vida, tentando ser como era sem ela.
Nunca.
Nunca mais tiveram notícias do outro, nunca mais se viram.
Nunca mais se amaram.
Então, mesmo com todo amor do mundo, se foram.
Então, é assim que é amar?
Então, o destino é assim, tão frio e cruel?
Então, como viver de metades, sem a parte que se tinha?
Então, eles nunca foram eles?
Então, como ficará os corações nesse jogo?



Então.




"Saudade é nunca mais saber de quem se ama e mesmo assim, doer."
{M.F. - ¹Não me lembro exatamente o nome,
só as iniciais da autoria dessa frase.
²Texto escrito por mim.}*

6 comentários

  1. meeo...
    AMEI o texto...gigante,porém lindo!^^

    ResponderExcluir
  2. simplESmente liindoo! *-*
    nossa arrepio :s


    beeijos
    amoo irmã

    ResponderExcluir
  3. Seu texto é muito belo, intenso em demasia, como deve ser toda a poesia. E digo que a vida é cruel mesmo, e nos afasta de quem não deveriamos nunca nos afastar, e isso doi sempre. Não tem como não doer.

    Obrigado pela visita no meu blog.

    Um grande abraço,
    Átila Siqueira.

    ResponderExcluir
  4. ENTONCESSSSSSSS !!!! \O/ simplesmente amei ;p

    ResponderExcluir
  5. muito legal o texto ^^
    acabei de fazer meu blog e estou procurando pessoas novas! (:

    ResponderExcluir
  6. Então é assim... é mesmo assim... e este texto me fez sentir o sal das minhas próprias lágrimas subindo em direção à garganta... pq eu me lembrei q é assim... terrivelmente é assim... e viver de metades é td o q é sofrer em mim!

    ResponderExcluir

Puxe a cadeira e sirva-se de um chá.